Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fábulas

Fábulas

"Deslarguem-me" que eu bato em alguém...

Todos os anos acontece e acontece sempre por esta altura, mas eu não consigo habituar-me, que é que querem?

A Câmara Municipal auxilia com uma verba os alunos mais carenciados e que façam prova disso, o que exige um montão de papelada, muito tempo e muita paciência...Tanta que muitos pais desistem e pronto.
Esse dinheiro costuma dar para pagar os livros e o material escolar e subsidiar as visitas de estudo.
Este ano, quem conseguiu esse subsídio tem ainda as refeições na cantina à borla, enquanto quem não tem paga 1,38€ por refeição.

O que me revolta é que enquanto uns penam para conseguir o subsídio e ouvem raspanetes por entregarem os papéis fora do prazo (quando a situação da pessoa mudou durante as férias), outros há que podem entregar os papéis fora de prazo sem problema nenhum...
E porquê?
Porque são ciganos, têm rendimento mínimo e tolerância máxima...
Porque se lhes levantarem problemas eles fazem barulho e nem duvido que fossem capazes de acampar, com a família toda, em frente à Câmara!

E o que lhes exigem em troca?
A única coisa que lhes "exigem" é que mandem os filhos à escola.
Mas eles não mandam, ou mandam só às vezes quando lhes apetece...
E o que lhes acontece?
NADA!
Em 10 dias lectivos já tenho uma aluna com 5 faltas!

Por outro lado, para uma aluna francesa, que vive com uma família de acolhimento e recebe um subsídio qualquer por ser deficiente, já foram preenchidos e enviados para França uns impressos onde se confirma que ela frequenta a escola e não falta a não ser justificadamente...

Estão a ver a diferença?
Eu estou, vocês com certeza também estarão, só quem manda neste raio de país é que não vê!!

(Se o meu blog fosse no sapo, agora punha aqui um sapinho zangado a dizer:
sinto-me furiosa!!)

A minha alegre casinha

Saio de casa antes das nove chego agora, estafada...
Apetece-me um banho e depois esticar-me no sofá...
Que é do sofá?
Desapareceu debaixo dum amontoado de tralhas...

É que tenho a casa em obras!

"Vais ver que desta vez não vai custar nada: são só umas pinturas e uns retoques, não há barulhos nem lixo", dizia o meu marido, mais para se convencer a ele próprio que a mim...

Não há lixo?
Haviam de ver a minha sala, a esta hora com o solzinho da tarde a dar-lhe em cheio!
Realmente barulho não há, mas de resto...
É que para pintar a sala foi preciso arredar o móvel grande da parede e para arredar o móvel foi preciso tirar de lá de dentro todas as louças (mas para que são precisos tantos cacos, meu Deus???)

Também foi preciso tirar as cortinas, as tralhas das paredes, a carpete e os tapetes...
Quer dizer, por causa duma pinturinha na sala e na copa tenho a casa toda em pantanas.
E depois ainda vão para o sótão, mas lá deve ser menos complicado: nesta altura uso-o pouco, quase só para passar a ferro pois é lá que está montado o estaminé dessa prazeirosa tarefa.
Ficar uma semana ou mais sem poder passar a ferro?
Ooooooooh! Que pena!

(e que ninguém se atreva a lembrar-me que o monte de roupa cresce à mesma, por favor!!)

Uma fotografia por domingo (21)

Já há alguns domingos que não publicava a minha fotografia...
Hoje retomo o hábito com esta bela fotografia dos meus ainda mais belos gatinhos:

Estou a ouvir queixas...
Quê?
Ai não estão a ver os gatinhos?
Pois eu também não, snif...
Para juntar ao computador que avariou há duas semanas, logo a seguir, pimba, avariou a máquina fotográfica.
Parece que este problema não é um exclusivo meu, anda por aí a acontecer a muitas Cannon, por isso agradeço que, quem já passou pelo mesmo, me diga como fez para o resolver (se é que há solução).

Mas, digam lá se isto não parece uma daquelas fotos todas modernaças, em que ninguém vê lá nada mas todos acham excelentes (será que também têm a máquina avariada e não deram por ela??)

Mudemos de assunto, sim?

Meu Deus, devo estar mesmo mal, logo agora que é um sarilho arranjar um atestado médico!!
Não é que fui ler por aí abaixo e descobri que os últimos 9 (sim, nove) artigos estão relacionados com educação?
Balhamedeus, que isto não é um blog temático!

Vamos então mudar de assunto!
(para política?? estou mesmo muito mal!!)

Ontem chocou-me imenso ouvir o senhor Chavez insultar, num discurso, o senhor Bush!
Não foram só os insultos, que isso infelizmente vai sendo cada vez mais habitual.
Foi mais o facto de o discurso de Chavez ser... em Nova Iorque!
Se alguém viesse a minha casa e desatasse a insultar-me, ia imediatamente para o olho da rua!
Era o que faltava!
Mas já ninguém respeita ninguém??

(Esclarecimento final: não gosto de nenhum daqueles senhores, nem com molho de tomate!)

Horários

A Ana Cristina levanta o problema dos horários no 1.º ciclo, que este ano vão ser obrigatórios e têm de ser rigorosamente respeitados.
A carga horária é a seguinte:

Língua Portuguesa - 8 horas
Matemática - 7 horas
Estudo do Meio - 5 horas
O resto do tempo fica ao critério do professor e pode até servir para reforçar estas disciplinas!!

Ficamos então com 2 horas e 30 minutos (apesar de em alguns documentos aparecerem 5 horas, porque se esqueceram que as crianças têm - pelo menos por enquanto - direito a 30 minutos de recreio por dia) para as seguintes disciplinas:

Expressão Plástica
Expressão Dramática
Expressão Físico-Motora
Expressão Musical
Formação Cívica
Área de Projecto
TIC

Feitas as contas dá cerca de 20 minutos para cada uma destas disciplinas...
Um tempão!

Quem fez este horário revela completa ignorância sobre pedagogia e psicologia infantil: não há criança que aguente horas seguidas de concentração sem ter actividades lúdicas pelo meio.
Quem fez este horário nunca ouviu dizer que "a brincar também se aprende".
Quem fez este horário nem deve saber que a área das expressões é importantíssima nestas idades para o desenvolvimento de competências necessárias a uma melhor aprendizagem nas outras (destreza, desenvolvimento da atenção, da motricidade, de gerir o tempo, de interiozar regras, etc...

Finalmente, quem fez este horário esquece que no 1.º ciclo há uma coisa chamada "monodocência" e outra chamada "interdisciplinaridade" (esta última já esteve muito na moda, mas actualmente parece que caiu em desuso).
Mas eu continuo a aplicá-la pois quando escrevo um problema no quadro os alunos têm de o ler, copiar e interpretar (português); depois podem ter de fazer desenhos para ajudar à resolução (plástica); eventualmente poderão ter de investigar na net ou numa enciclopédia quantas patas tem um escaravelho (TIC e Ciências); finalmente chega a Matemática quando fazem os cálculos...

E a minha pergunta é:
Em que buraquinho do horário escrevo "resolução de um problema"??

Sabem aquela de quantos alentejanos...

... são precisos para substituir uma lâmpada?

Pois agora a adivinha mudou e passou a ser "quantos médicos são precisos para passar um atestado?"

Segundo as notícias desta tarde, o atestado médico não chega: é preciso, além disso, "meter baixa" pelo SNS...
Quem conhece esses serviços (eu não, felizmente) sabe bem como (não) funcionam!
E muitas pessoas recorrem a médicos que têm contratos com a ADSE em consultórios ou Clínicas, evitando assim entupir ainda mais os já entupidos centros de saúde.
E também há muita gente que vai ao consultório do seu próprio médico de família. Estes farão como?
Levam dois atestados do mesmo médico?

Desconfiam de baixas fraudulentas?
Então investiguem-nas e castiguem quem utiliza a desculpa duma doença para ter uns dias de férias!
Mas não podem punir apenas os "doentes", há que punir também os médicos que o fazem, porque uns não existem sem os outros!

Prós e prós

Ontem, no programa "Prós e Contras" da RTP1 houve um pequeno quiproquó: convidaram os "prós", mas esqueceram-se dos "contras"!

Como disse, e muito bem, um professor de Seia, aquilo não era um debate, era um beija mão!
Não sei que raio de convidados eram aqueles!
No público devia haver gente interessante, mas a esses não os deixaram falar!
O único que, embora debilmente, foi remando contra a maré foi o sindicalista da Fenprof, mas quanto a mim não foi suficientemente acutilante (medo de lhe acabar o tacho no sindicato e ter de voltar à escolinha??)

Tenho medo de pensar que os professores não falem por medo!
Quero acreditar que tenha sido mesmo um erro de casting...

Notícia:
Os Golfinhos voltaram à escola e também ao blog.
Agora são finalistas, estão todos importantes por serem "os maiores da escola", mas continuam a adorar os vossos comentários... Apareçam!

Sem comentários...

" En mai 99, Monsier C. est incarcéré suite à l'assassinat de son épouse devant les enfants"

Está escrito assim, tal e qual (entre muitas outras coisas, nenhuma delas agradável) no processo duma menina que vai ser minha aluna.
Na altura em que isto aconteceu a A. tinha 4 anos...
Agora tem 11, e muitas dificuldades de aprendizagem.

Há crianças que já viveram situações tão traumáticas que nem passam pela cabeça de muitos adultos!

A (famosa) Finlândia e a educação

"No meu país todos têm direito a uma educação básica gratuita, que inclui o equipamento necessário e os livros escolares, transporte, se for preciso, serviços de saúde e refeições."
Antti Kalliomäki, Ministro da Educação e da Ciência da Finlândia

Lá as crianças entram para a escola só aos 7 anos, não bebés de 5 como acontece cá...
Antes da entrada na escola fazem 1 ano de pré onde adquirem noções básicas, que lhes permitirão ter sucesso num ano tão exigente como é o primeiro ano de escolaridade.
Também ao contrário de cá, onde já pouco falta para as crianças dormirem na escola (este ano há escolas onde as crianças permanecerão 10 horas!!), lá dos 7 aos 12 nunca passam mais que 4 (quatro!!) horas por dia na escola!
E os pais e mães que trabalham? (sim, que isso de trabalhar fora não é monopólio nosso)
Para esses casos há estruturas organizadas e asseguradas pelas autarquias.
Esses espaços não são no espaço escolar nem na linha do trabalho escolar.

E pergunto eu, que sou de compreensão lenta:
se por cá se gosta tanto de imitar o que vem de fora, porque não copiamos os bons exemplos?

(Entrevista e opiniões várias na Notícias Magazine de hoje, a não perder para quem se interessa por estes assuntos, que afinal dizem respeito a todos).

O povo (ainda) é quem mais ordena!

Na minha escola as aulas eram para ter começado hoje, mas não começaram.
É que ontem, na reunião de pais, quando estes viram que as obras que deviam estar prontas, ainda mal tinham começado, decidiram não mandar os filhos à escola como forma de pressionar.
Eu não aprecio muito estas atitudes radicais, mas não posso obrigar os pais a mandarem os filhos para uma escola em obras, com uma sala a menos e a cantina, que a ministra tanto apregoa que é para todos, por fazer!

Hoje pude comprovar que os pais tinham razão: apareceram trabalhadores, apareceu material, apareceu tudo!
E as obras começaram a andar a bom ritmo!

Será que neste país as coisas só funcionam se for assim?

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2005
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2004
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D