Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fábulas

Fábulas

Tenham muito, mas mesmo muito cuidado com os filmes 3D

Ainda bem que essa coisa dos filmes 3D não me atrai, não acho graça nenhuma a ter de pôr uns óculos especiais para ver televisão.
De qualquer maneira, mesmo se gostasse ia deixar de ver para não correr o risco de me acontecer a mesma coisa que aconteceu a esta pobre mulher:



Um casal branco americano teve um bebé negro e a mulher diz que engravidou assistindo a um filme porno 3D.
O pai da criança, o soldado Erick Jhonson, estava há um ano servindo numa base militar no Iraque e, quando voltou para casa encontrou um bebé negro.
Sua mulher, Jennifer Stweart, de 38 anos, disse a ele que a criança foi concebida enquanto ela assistia a um filme porno em três dimensões.
"Não vejo porque desconfiar dela. Os filmes em 3 D são muito reais. Com a tecnologia de hoje tudo é possível", disse Erick, que registou a criança.
Jennifer afirmou que foi a um cinema porno com as amigas em Nova York.
Ela conta que não costuma assistir a filmes pornos e que só foi dessa vez para ver como ficavam os efeitos em 3D.
A criança, segundo ela, se parece com o actor negro do filme. "Um mês depois de ver o filme eu comecei a sentir enjôos e o resultado está aí. Vou processar o cinema e os produtores. Ainda bem que meu marido acreditou em mim. Meu casamento podia estar em risco. Mas ele sabe que eu sou fiel", disse.

Abate de escolas

Embora a ministra só tenha dado ordem para serem "abatidas" as escolas com menos de 20 alunos, há directores "mais papistas que o Papa" e que querem abater também escolas com mais de 30 por uma questão de " gerir os recursos" ou melhor, de poupar uns cobres ao Estado (não sei com que intenção, porque duvido que o Estado leve isso em consideração seja para o que for).

A minha escola (com 30 alunos matriculados) está nessa situação.
Este ano lectivo, que agora está a acabar, começou com uns dias de atraso porque a escola, depois de muitos anos em mau estado, entrou finalmente em obras!

Infelizmente, não é caso único: segundo notícia do jornal i de hoje, gastaram-se 3 milhões de euros em obras em escolas que estão para fechar (e só contabilizaram 19, mas são muitas mais).

Isto não é imoral?

Bolo da Ana Rita



Ingredientes:

300 g de palitos la reine
500 g de morangos
1 laranja
1 queijinho fresco, sem sal
125 g de natas
9 colheres de sopa de açúcar

Preparação:

Colocar os morangos depois de lavados numa taça e espalhar-lhes por cima 4 colheres de açúcar e o sumo da laranja.
Esmagar o queijo, juntar-lhes as natas e o restante açúcar (5 colheres) e bater até obter um creme.
Forrar o fundo de uma forma de bolo inglês com papel vegetal.
Escorrer o sumo dos morangos para um prato fundo e embeber os morangos 1 a 1 nesse sumo. Colocá-los no fundo da forma, bem encostadinhos uns aos outros.
Espalhar por cima 3 colheres de creme e depois alguns morangos (inteiros ou cortados se forem grandes).
Repetir as camadas até ao fim: Palitos, creme e morangos.
Terminar com uma camada de palitos e levar ao frigorífico por, pelo menos, 3 horas.

Para desenformar, passar com uma faca a toda a volta e virar sobre um prato.
Retirar o papel vegetal e decorar com mais morangos.


Esta receita foi inicialmente retirada de uma Teleculinária Especial de Verão de 1981.A da foto foi feita à preguiçosa, dentro duma taça, mas numa forma rectangular fica mais bonita.

A tragédia, o drama e o horror

como diria aquele senhor que não tem aparecido na televisão, graças a Deus.

Pois a tragédia abateu-se por aqui quando a minha televisão da cozinha/copa faleceu repentinamente. Apagou-se, literalmente.
Nos cuidados intensivos, para onde foi logo levada, dizem-me que só daqui a uma semana saberão o que se passou com ela e se tem cura (parece que há um pico de tragédias a ceifar os electrodomésticos!).

Agora digam-me:
Como vou viver estes dias sem a minha televisão?
Só tenho mais uma, que está na sala, lugar pouco acessível quando estou a cozinhar ou a tomar o pequeno-almoço.
E, como se não bastasse, ainda avaria em pleno mundial!
Imaginem: duas pessoas em casa (e uma delas é um homem), uma televisão, 459 993 jogos de futebol por dia e ainda uns 1 222 295 238 348 programas sobre futebol!

Não sei se vou sobreviver!

Macário Correia, aquele senhor dos cigarros e dos cinzeiros,

andou mal, mesmo muito mal.
O que ele fez (vir para os jornais chamar malandros aos funcionários da Câmara Municipal de Faro da qual é presidente) só atesta a sua incompetência.

A ser verdade que há funcionários que passam as horas - que deviam ser de trabalho - nos cafés, devia tomar medidas para que isso não acontecesse. Essa é a sua função como presidente.
Isso não se resolve vindo relatar o caso para os jornais, enxovalhando assim uma classe inteira.

Mas, quem cospe para o ar...

Só não acerto no euromilhões! (será por não jogar?)

O que aconteceu ontem aqui nas traseiras da minha casa e nas dos meus vizinhos há muito que tinha sido adivinhado por mim.
Só demorou a acontecer, mas pronto, já aconteceu...

Tratou-se de um incêndio, de proporções jeitosas, e que ainda deu algum trabalho aos Bombeiros Velhos de Aveiro.

E, perguntam vocês, por que estava este incêndio "anunciado" como no caso da morte anunciada de Santiago Nasar?
É que alguns iluminados da Refer (presumo eu que sejam esses, mas podem ser outros igualmente iluminados) têm a mania de cortar as canas que ladeiam o caminho-de-ferro. Não sei que estorvo as canas fazem, quanto a mim até fazem imenso jeito porque servem de barreira visual e acústica (principalmente acústica) para quem tem casas perto da linha. (sim, eu moro "na linha"!)

Eles fazem assim: cortam as canas, e depois deixam-nas ficar ao longo da linha, onde secam num instante já que eles costumam cortá-las no Verão.
Qualquer fagulhazinha provocada pelo comboio ou por qualquer outra coisa acabará por lançar o fogo, como aconteceu ontem.

Bolo de natas (2)

E para a despedida das noites frias (espero eu!), um bolo simples e bom:


Ingredientes:

300 g de açúcar
4 ovos grandes
2 colheres de sopa de margarina
1 chávena (xícara) de natas
250 g de farinha
1 colher de chá de fermento em pó
100 g de miolo de amêndoa ou nozes

Preparação:

Bater as gemas com 250 g de açúcar até obter creme branco.
Juntar depois a margarina derretida e continuar a bater.
Juntar as natas e bater mais um pouco.
Bater as claras em castelo e juntar-lhes os restantes 50 g de açúcar, aos poucos e sem parar de bater.
Adicionar à massa as claras e a farinha peneirada, alternadamente, mexendo com cuidado.
No fim, misturar as amêndoas ou as nozes, moídas, sem bater.
Levar a cozer em forno moderado, em forma de buraco, cerca de 1 hora.

Receita da Teleculinária n.º 283 de Outubro de 1982

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2005
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2004
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D