Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fábulas

Fábulas

Brownies

Ingredientes:
1 tablete de chocolate para culinária;
250 gr. de manteiga (só usei 200 gr.);
5 ovos;
400 gr. de açúcar (só usei 300 gr.);
150 gr. de farinha;
100 gr. de miolo de noz;
1 c. de chá de fermento em pó;
2 c. de sopa de cacau em pó.

Preparação:

Parte-se a tablete de chocolate em pedacinhos, adiciona-se a manteiga e vai a derreter em banho-maria.
O creme de chocolate sai do lume e fica a arrefecer.
Entretanto, bate-se energicamente o açúcar com os ovos.
Junta-se o chocolate e continua-se a bater.
A farinha, depois de misturada com o cacau em pó, o fermento e as nozes picadas, junta-se ao preparado anterior.
A mistura vai, então, ao forno pré-aquecido a 180ºC num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado com farinha.
Deve cozer cerca de meia hora.
Quando estiver cozido, o brownie é retirado do forno e cortado em quadrados de tamanho igual. Pode acompanhar com uma bola de gelado a gosto (sugere-se de baunilha ou de nozes) e com molho de chocolate.
Pode decorar com uma folhinhas de hortelã para conferir um aspecto fresco.
Bom apetite!

Parabéns ao meu Agrupamento

que, em 5 itens avaliados* obteve 4 classificações "Bom" e apenas 1 "Suficiente", o que nos deixa bem posicionados em relação a outras escolas que, à primeira vista, se pensava (eu pelo menos pensava!!) terem melhores resultados.

O meu Agrupamento é constituído por uma EB2,3, 6 escolas do 1.º ciclo (bastante dispersas) e 5 pré-primárias - perfazendo um total de 880 crianças - e abrange uma população relativamente pobre e pouco instruída.
(na minha turma, de um universo de 34 pais e mães, há apenas 6 com o 3.º ciclo! Com o 2.º ciclo são 17, com apenas o 1.º ciclo são 7 pessoas. Há ainda 4 sem nenhuma escolaridade).

Parabéns a nós!!

*avaliação externa das escolas, pela IGE.

Já estive melhor!!

Hoje, por volta das 18 horas, já de noite, a chover razoavelmente e eu carregadíssima com a pasta, o guarda-chuva, mais uma molhada de cadernos e ainda alguns livros*, chego ao carro e... a porta não abre!
O comando não comandava nada e tinha medo de meter a chave na fechadura porque nessas ocasiões o carro não costuma gostar e desata a apitar por todos os lados.
Fico uns instantes (um minuto ou dois?) a olhar para o carro, os cadernos a escorregarem perigosamente e a ameaçarem desabar no chão, e a pensar no que havia de fazer quando resolvo olhar ainda melhor para o carro, pois nessa altura comecei a achar que tinha andado demais!
E fez-se luz!
Aquele carro não abria porque não era o meu!

Atenuantes:
- um dia com 9 horas de trabalho (aulas e 2 reuniões)
- o carro era da mesma marca do meu e da mesma cor! (não valia a pena olhar para a matrícula, pois não a sei!)

(O * fica para amanhã)

Tarte à Pucarinho


Ingredientes:

250 gr. de bolacha Maria desfeita;
100 gr. de margarina;
2 iogurtes naturais;
5 dl. de natas (só usei 4 dl.);
2 folhas de gelatina transparente;
compota de cereja (utilizei de morango e um frasco inteiro não foi demais).

Preparação:

Mistura-se 150 gr. de bolachas Maria desfeitas com a margarina derretida até se obter uma massa consistente, que se estende numa forma de tarte untada.
À parte, ligam-se as natas batidas com os iogurtes naturais e, em seguida, juntam-se as folhas de gelatina previamente derretidas.
Deita-se o preparado sobre a forma com uma camada intermédia das restantes bolachas Maria (100 gr.) e leva-se ao frigorífico durante 4 horas.
Decorrido esse tempo desenforma-se a tarte, cobre-se com compota de cereja e serve-se.

Nota: como poderão ver pela foto, a tarte não ficou muito firme, apesar de ter estado no frigorífico desde as 19.30 até às 13.30 do dia seguinte. Penso que será melhor acrescentar mais 2 folhas de gelatina, ou então levar ao congelador 2 horitas antes. Usei uma forma com aro amovível e quando o tentei retirar, a tarte começou a desmoronar...
Mas é saborosa :)
Bom apetite!

Vejam lá se se entendem!

Se por um lado, temos o Ministério da Educação a dizer que quase não houve greve (menos de metade dos professores, dizem eles!), por outro lado temos o senhor Albino que aqui d'el-rei, tanta gente em greve não pode ser, as escolas não podem fechar, tem de haver serviços mínimos (!!).
Mas afinal eram assim tantos em greve que até houve escolas que fecharam??
E ele nem avisou o Ministério que pensava estar tudo a funcionar??
Entendam-se senhores!!

(agora, e em relação a esse mesmo senhor, uma dúvida que me assola há muito: quantos filhos tem ele??
É que o homem é há tanto tempo presidente das associações de pais e eu presumo que que só se pode ter esse cargo se se tiver filhos na escola, ou será que não??
E outra pergunta: conhecem alguém que tenha votado nele? eu nunca vi ninguém acusar-se de tamanha barbaridade, e até conheço alguns presidentes de associações de pais!!)




Cartoon do Antero.

Visitas...

Na quinta e na sexta passadas, andou a passear-se pela minha sala (de aulas!) um simpático ratinho.
Simpático, mas um nadinha tímido, já que nunca se deixou fotografar, apesar dos meus esforços nesse sentido.
Se calhar o facto de ter todos os garotos a gritar "olha o ratinho ali", também não ajudou!

Aqui há tempos (ainda no 1.º Período), a cantina da escola foi vistoriada por uma nutricionista da Câmara.
E sabem com o que é que ela implicou?
(não, acho que o ratinho nesse dia não veio!)
Implicou com o facto de as chávenas de café das professoras serem lavadas na mesma máquina, juntamente com a louça das crianças!
Uma nojice, não vos parece??

A cigarra e a formiga


Hoje, na escola, foi dia de ouvir uma história.
As crianças ouviram ler e depois leram "A cigarra e a formiga".
Finalmente foi a vez de serem eles a recontare a história.

Só que, desta vez, não houve diversidade de finais. Aconteceu apenas o final quase trágico da formiga a negar ajuda à cigarra.
E não houve mais finais porque, primeiro, nenhum deles o sugeriu, e segundo, porque a mim também não me apeteceu sugerir.

É que ultimamente ando numa de formiga e, para mim, quem não trabalha e só quer viver à custa do trabalho dos outros tem mais é que morrer de fome.
Pena que não morram!

Os "pirilampos" têm a história recontada no blog deles...
E também um desenho muito bonito.
Que tal darem lá um saltinho?

...

É hoje notícia que as reformas vão baixar.
Presumo que sejam as mais baixas, já que nas mais altas, nessas ninguém mexe!
Mas o que me revolta é haver gente que, para além de ter reformas milionárias, ainda acumulam várias (o nosso presidente da república, por exemplo!!).

Se uma pessoa, depois de reformada, resolver arranjar ainda outro emprego, em vez de ficar em casa a ver televisão ou no jardim a jogar à sueca, tem todo o direito a receber o ordenado, para além da reforma.
Mas nunca receber 2 ou 3 reformas!
É imoral, e devia também ser ilegal.

Não vejo jeito de isto mudar, porque quem faz estas leis é quem delas depois vai beneficiar!
As pessoas cada vez confiam menos nos políticos, e não haja dúvida de que têm bons motivos para isso!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2005
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2004
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub