Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fábulas

Fábulas

A minha rua vai ficar famosa (se calhar)

Perto de minha casa há um camião estacionado abandonado há mais de um ano.
Um vizinho a quem ele estorva especialmente (a mim só estorva a vista, a ele estorva-lhe a entrada na garagem) já fez queixa à PSP há séculos.
Os polícias vieram, não sei que lhe disseram, mas não nada se resolveu, o camião lá continua impávido e sereno...
Hoje andaram por aqui repórteres da SIC a filmar o trambolho.
Por isso, mais dia menos dia a minha rua vai aparecer na televisão!

Isto passa-se no mesmo país onde se pagam multas exorbitantes se se deixar, por exemplo, um saco de lixo - ou de papel - fora do contentor.
Mas se for um carro ou um camião, isso não tem importância nenhuma!

E vivam os mestrados!

Hoje, parte da minha aula da tarde foi assistida por 2 candidatas a professoras (não se chamam estagiárias, mas é como se fossem).
Pelo que me explicaram, o curso - que agora é de 4 anos (passou de 3 para 4 há uns anos) - inclui um mestrado no último ano por causa dessa-coisa-de-Bolonha.

Ou seja: apesar de se ter chegado à conclusão de que 3 anos de curso são suficientes, obrigam as pessoas a andar lá mais um ano. Para que elas não fiquem muito chateadas, concedem-lhes o grau de mestre!
(o que é uma injustiça imensa face a pessoas que têm cursos de 5 anos e são "apenas" licenciadas...)

E agora perguntam vocês: qual é o interesse das universidades em terem lá os alunos mais 1 ano?
A minha resposta/pergunta:
Será porque as propinas desse ano de "mestrado" são exorbitantes?

Para que serve um referendo?


Bem, na minha humilde opinião um referendo serve para que toda a população de um país se manifeste acerca do que é referendado.
Por isso, eu acho que os referendos só são úteis quando o resultado do assunto em votação atingir toda a gente: os que querem e os que não querem.
Nesse caso a opinião da maioria prevalecerá e os outros têm de se conformar (como aconteceu com a regionalização, por exemplo).

Mas, nos casos em que o "fazer" ou "não fazer" - seja uma interrupção de gravidez, seja casar com uma pessoa do mesmo sexo - depende só e unicamente do livre arbítrio de cada um, para que serve um referendo?

Estou triste!

É que eu pensava que era essencial e, pelos vistos, não sou..
Não vai haver vacina para mim porque não faço falta nenhuma!

Já agora, quem faz mais falta: eu ou o Sócrates?
Eu ou a ministra da Saúde?
Eu ou os deputados?

Experimentem perguntar aos meus alunos que eles respondem logo que sou eu!
(ia dizer "experimentem perguntar ao meu marido", mas é melhor não arriscar!)

São Martinho

Perguntava aos alunos a professora, cheia de esperança de que naquelas cabecinhas existisse uma réstea de lembrança da história ouvida já 2 vezes por uns e 3 vezes por outros:
(ah, a professora era eu...)

"E então meninos, alguém ainda se lembra quem era o S. Martinho?"

"Eu lembro" - responde prontamente a F. - "era vendedor de castanhas!"

Bolo de canela com amêndoa laminada


Ingredientes:

250 g de açúcar
250 g de farinha
150 g de manteiga
6 ovos
4 colheres de sopa de leite
1 colher de sobremesa bem cheia de canela em pó
1 colher de sobremesa de fermento

Cobertura:

200 g de amêndoa laminada
150 g de açúcar
150 g de manteiga
0,5 dl de leite

Preparação:

Bater a manteiga com o açúcar, adicionar depois as gemas e o leite.
Juntar a farinha, a canela e o fermento e voltar a bater.
Bater as claras em castelo e envolvê-las na mistura.
Colocar numa forma de fundo amovível barrada com margarina e polvilhada com farinha e levar ao forno a 180º por 35 minutos.

Entretanto, preparar a cobertura:
Deitar num tacho o açúcar, a manteiga, o leite e as amêndoas e levar a lume brando, mexendo sempre até que o açúcar fique em ponto de xarope
Deitar este preparado por cima do bolo e levar novamente ao forno para tostar as amêndoas.

A esmola

Depois de ter ganho as eleições, o primeiro ministro ia a passar numa rua de Lisboa, com a mãe.
Precisamente nessa rua, estava um cego, a pedir.
Então, a mãe do primeiro-ministro puxou de uma nota de 50 Euros, e deu ao cego.

Espantado, o primeiro-ministro, interpelou à mãe:
- Ó mãe! Então! Você foi dar 50 Euros a um cego?
Respondeu-lhe a mãe:
-Tu, está mas é calado!
Se não fossem os cegos, tu hoje não eras primeiro-ministro!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2005
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2004
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D