Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Fábulas

Fábulas

Direitos dos animais

Não sou militante de nenhum partido, não pertenço a nenhuma orgarnização ou grupo.
Talvez seja um bocadinho individualista, mas pronto é assim que sou e os meus pais não aceitam reclamações e muito menos devoluções à procedência...
No entanto, comporto-me como se pertencesse a todas as organizações ecológicas, de defesa dos animais, dos direitos humanos, etc, etc. Penso que se todos cumpríssemos escrupulosamente os nossos deveres nem seriam precisas tantas organizações.
Vem isto a propósito dos direitos dos animais de que se fala tanto nesta altura, por causa de umas bestas que há para aí que abandonam os pobres para poderem ir de férias. Todos os dias recebo mails da Tânia com animais abandonados ou maltratados para adoptar.
Mete dó!
Por outro lado e de certa forma os animais têm mais direitos que muitos seres humanos.
Agora que já dói menos falar no assunto, posso dar o exemplo do meu cão: deram-mo ainda bebé pois ia ser abandonado porque "não prestava para a caça" - estes caçadores dão outro post,um dia destes.
Na altura havia uns desenhos animados na televisão, acho que se chamavam "Bell e Sebastião" e o cão pequenino era o Pucci. Então os meus filhos baptizaram-no com esse nome.
Viveu sempre cá em casa, não estava preso, passeava no pátio e no quintal. Viveu 16 anos sem nunca ter adoecido. Nos últimos dois anos com a velhice foi começando a ficar surdo e depois cego.
Mas foi sempre independente até ao último dia da vida dele.
Quando vimos que já não havia nada a fazer fomos chamar a veterinária, mas quando ela chegou ele já tinha morrido, como quem diz "se nunca precisei de veterinários para viver, também não vai ser agora que vou precisar!"
Foi enterrado no fundo do quintal, no local preferido dele, onde enterrava os ossos maiores e onde, já velhote, dormia as suas sestas...
----------------------------------------
Agora digam-me se conhecem alguma pessoa que tivesse tido direito a eutanásia para morrer com dignidade e direito também a, depois de morta, ser enterrada no seu local preferido em vida...

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2005
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2004
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D