Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fábulas

Fábulas

Há uns tempos recebemos


cá em casa uma carta da Segurança Social a dizer que o meu marido lhes devia cerca de 2000 euros. E não ficam por aqui: logo no segundo parágrafo ameaçavam penhorar os nossos bens, caso não pagássemos.

Apesar de sabermos que não devíamos nada a ninguém, receber uma carta assim "simpática" é muito chato. Quando o meu marido se apresentou nos serviços com os comprovativos de que não lhes devia nada, confirmaram que era realmente verdade, que ficasse descansado.
Mas, à cautela, o meu marido exigiu-lhes que fizessem essa declaração por escrito, uma vez que a declaração de que devia dinheiro também tinha vindo por escrito.
Ao fim de muito tempo e de muita insistência, chegou a tal declaração.
Agora está arrumada em lugar muito seguro, mas estamos até a pensar em alugar um cofre num banco para a guardar, não vá o diabo tecê-las.

Por isso, nesta história Passos Coelho versus Segurança Social, venha o diabo e escolha o mais gatuno...

Da honestidade

Percebo pouco de política, menos ainda de políticos, e nada de nada dos meandros da política.

Mas percebo de solidariedade e de honestidade.
Embora me pareça que, dos Antónios, o Costa é mais competente que o Seguro, acho que aquilo que ele fez (o Costa) não foi honesto.

É como haver uma pessoa que cava a terra, semeia, arranca as ervas daninhas, rega com desvelo e depois vem outro e faz a colheita...

Para mim pode ser "dono" do partido quer um, quer outro, até pode ser o Papa, que jamais voltarei a votar neles.
Mas o que o António Costa está a fazer é mesmo muito feio.

Toda a gente fala nos Miró

e eu também entro na conversa.

Há muita gente a vender os seus bens para subsistir mais uns tempos. Há os que vendem o ouro e há os que vendem outras coisas que fazem mais falta.
Resumindo: quando o dinheiro não chega, vendem-se os bens.
No caso dos quadros de Miró, pretendem vendê-los para ajudar a pagar uma dívida (as causas dessa dívida não são para aqui chamadas agora).

Eu acho muito bem: é preferível venderem os quadros do que tirarem ainda mais dinheiro aos que já tão pouco têm...

Já agora:
Não vejo esta indignação generalizada quando estamos a vender o país (EDP, ANA, Correios...) aos bocadinhos bocadões!

Greve

Basta ver as "contagens" que vão aparecendo sobre a greve, para constatar que hoje só contam os alunos que fizeram ou não fizeram exame. Aliás, o objetivo da greve era mesmo esse: inviabilizar o máximo possível de exames.

Como não fui convocada para tomar conta de nenhum exame (graças a Deus, que parece que aquilo é uma autêntica tortura*, do género de uma pessoa não se poder sequer sentar), não fiz greve (se tivesse sido convocada, faria greve).
Só me ia prejudicar a mim, e já estou prejudicada que chegue...

Por isso, não me revejo nos  insultos por esse facebook fora, aos que não fizeram greve.
Há professores que, se tivessem algum poder, eram piores que o ministro.
Deus me livre deles!


* hoje, pelo que li, esqueceram todas as "regras de segurança" - algumas bem estúpidas, diga-se... - e valeu tudo, até fazer exame em ginásios. Há diretores que são uns capachos queridos.

O regresso de Sócrates

não me incomoda mesmo nada.
Não assinei a petição, não vou desligar a televisão, nem sequer vou mudar de canal...

Ele não é o responsável pelo estado em que estamos. Ele é apenas um dos responsáveis, e talvez nem sequer seja o maior.
Mentiu? Ok mentiu. Mas se formos a fazer um concurso de mentiras entre Sócrates e Passos Coelho, quem pensam que ganhará?

Jamais voltarei a votar nele e jamais lhe perdoarei a megera que ele arranjou para ministra da educação, o que não quer dizer que tenha discordado de todas as suas políticas.

E até estou curiosa para ouvir o que ele tem para dizer.

(enquanto o povinho anda entretido a assinar petições por causa do seu "regresso", há um ex-espião a voltar ao ativo, com direito a retroativos e tudo...)

A galinha dos ovos de ouro

Quando se conta esta fábula às crianças, elas todas reconhecem que o agricultor fez muito mal ao matar a galinha: "a galinha morta não faz mais ovos", constatou uma menina de 5 anos...

Com um QI inferior a uma crinaça de 5 anos, temos o nosso governo.

Os muito pobres (que crescem a olhos vistos) não têm mais por onde sentir os efeitos da crise: já nada têm. Os muito ricos também não a sentem, porque não são esses que a pagam.
Resta quem?
A classe média, que continua a ser o "bobo" desta corte: rouba-se tira-se sempre mais aos mesmos!

A galinha está moribunda, à espera da estocada final.

Embirrâncias e ortografia

Quando conheço uma pessoa (seja pessoalmente, seja só pela comunicação social), ou gosto ou embirro. Às vezes penso que me enganei na primeira impressão, mas o tempo acaba por me levar a ver que afinal a primeira impressão estava certa. Nunca falha!

Nunca gostei do Vasco Graça Moura. Nem sei porquê, o homem nunca me caiu no goto. Acho-o vaidoso e empafioso (esta palavra existe?) e não gosto de pessoas assim.

O que ele fez hoje, ao "erradicar" o acordo ortográfico do CCB, mostrou que ainda é pior do que eu o imaginava.

O primeiro ministro está à espera de quê para o demitir?

Devo ser muito burra,

mas não sei onde raio está a justiça de, por ganhar mais de 1100 €* por mês, deixar de ter direito ao subsídio de natal e de férias...
E de o vizinho do lado, apesar de ganhar bastante mais, não perder direito a nada, só porque o patrão não é o mesmo.

Não seria muito mais justo se, por exemplo, criassem um imposto sobre o que vai para além dos 800, ou dos 900, ou dos 1000 - o que entendessem - mas para toda a gente?

Será assim tão difícil de entender?

* eu sei que a maioria dos portugueses ganha ainda menos, mas não é isso que está em causa agora.
Realmente o ordenado mínimo nacional é uma vergonha, uma afronta a todos os que trabalham e que têm uma casa para sustentar e direito a uma vida digna.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2005
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2004
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D